sexta-feira, 17 de julho de 2009

REVIE na Prática: Inteligência Competitiva - estudo de caso Parte 1

O método REVIE está entre entre as notícias mais lidas do portal Meta Análise em julho/2009. Confira o artigo na íntegra logo abaixo.



REVIE na Prática: Inteligência Competitiva – estudo de caso Parte 1


Este artigo vai mostrar um exemplo de aplicabilidade da REVIE (Rede de Valor para Inteligência Empresarial) aliada às táticas de guerrilha e às ferramentas/plataformas de colaboração (como intranet, extranet, Web 2.0) para resolver os problemas e os desafios de um gerente no eixo inteligência competitiva.

O método REVIE é formado por processos, padrões e melhores
práticas, tendo como proposta integrar as principais frentes em MKT e
Vendas:
- Inteligência Competitiva;
- Produtos/ Serviços;
- Clientes e
- Parcerias.

Foram mapeadas em torno de 20 melhores práticas em Inteligência Competitiva que são aplicáveis ao método REVIE, sendo que vamos mostrar a prática de algumas ferramentas e técnicas de IC (Inteligência Competitiva) com o estudo de caso apresentado abaixo.

A Bomba!

“O telefone toca. O gerente de negócios de uma empresa de telecomunicações diz: essa empresa é mais uma que caminha para a fusão. No correio eletrônico, e-mail sobre os avanços da convergência no Brasil, analisando os impactos no portifólio de soluções -- a empresa não possui parceiros estratégicos para enfrentar a era da Convergência.

Na mesa dele, uma proposta da equipe para avaliação de investimentos no desenvolvimento de um novo produto. Ele sabe que já tem concorrente com oferta no mercado similar a este produto. Mas este produto do concorrente é lucrativo? Já alcançou a maturidade? Quais os pontos fracos desta solução?

O analista da equipe chega e diz: detectamos que um grupo de clientes quer mais interação com a empresa. Ele pergunta: mas já não temos o web site e a central de call center?

O gerente de vendas liga para afirmar que os dados de ‘mkt share’ enviados pela área de Inteligência Competitiva não estão corretos: vendemos mais! Não podemos estar atrás daquele concorrente.”


Alguma semelhança no seu dia-a-dia? Essa é a realidade de gerentes e executivos das áreas de MKT, desenvolvimento de negócios, vendas e planejamento das empresas de Telecom.






Parte 1 - Eixo: Inteligência Competitiva (IC)

Inteligência Competitiva é um programa sistemático e ético para coleta, análise e gerenciamento de informações externas que podem afetar os planos, decisões e operações de uma empresa. (SCIP - Society of Competitive Intelligence Professionals)


Táticas de Guerrilha relacionadas à Inteligência Competitiva: respostas rápidas ao mercado e ações que surpreendam o cliente e o concorrente.


Problema/Desafio 1:
- divergência dos dados de vendas que foram enviados pela equipe de vendas e gerados pelo sistema de BI (Inteligência de Negócios).

Solução:- há ferramentas e técnicas de IC (Inteligência Competitiva) que podem trabalhar em conjunto com o sistema de BI (BI (Inteligência de Negócios) para ajudar na validação dos dados entregues pela equipe de vendas. Neste caso específico, a análise de win/loss, que faz um levantamento da perda/ganho de contratos/clientes da empresa em relação à concorrência, pode ser feita num trabalho em conjunto da área de vendas com Inteligência Competitiva/ BI.


Problema/Desafio 2:
- empresa precisa avaliar se vale a pena lançar produto similar ao do concorrente no mercado. Empresa desconhece os pontos fracos desta solução.

Solução:- neste caso, pode-se fazer um mapeamento do ciclo de vida do produto concorrente junto com uma análise SWOT tanto do concorrente quanto da solução específica.

Para identificar tendências e oportunidades de negócios no mercado, recomenda-se também a prática do Benchmarking, não apenas analisando empresas concorrentes, mas também as indústrias complementares aos produtos de Telecom como a de TI (Tecnologia da Informação).

O Benchmarking com um grupo selecionado de empresas parceiras e o trabalho conjunto de áreas internas partilhando conhecimento são passos importantes para a construção da REVIE no eixo Inteligência Competitiva. É o início da aplicabilidade do conhecimento em rede intra-empresarial e entre empresas.

Como plataforma de colaboração da REVIE para o Benchmarking, a extranet ou mesmo um blog corporativo, com acesso restrito, podem ser usados para a troca de informação em tempo real entre os participantes, construindo um modelo inicial de colaboração para a criação de conhecimento entre empresas. Neste caso, temos a aplicabilidade de dois eixos (Inteligência Competitiva e Inteligência de Parceiros) da REVIE para um mesmo objetivo.


Aos poucos e com a integração dos eixos, como no caso citado acima (Inteligência Competitiva e Inteligência de Parceiros), a REVIE – Rede de Melhores Práticas para MKT e Vendas - vai tomando forma e trazendo resultados para as empresas nos quatro eixos:

- Inteligência Competitiva;
- Produtos/ Serviços;
- Clientes e
- Parcerias.


No próximo artigo, vamos dar continuidade ao estudo de caso abordando os problemas, desafios e soluções do gerente para produtos/ serviços.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

- TEIXEIRA, Daniela R. REVIE – Rede de Melhores Práticas para MKT e Vendas. http://www.metaanalise.com.br/inteligenciademercado/momento/ponto-de-vista/revie-rede-de-melhores-praticas-para-mkt-e-vendas.html, abril 2009.

- TEIXEIRA, Daniela R. O GAP entre Inteligência Competitiva e Forecasting: antecipar o futuro – quem não quer? http://www.ibramerc.org.br/itemBiblioteca.aspx?id=903, junho 2009.


Daniela Ramos Teixeira é especialista em Inteligência Empresarial e Marketing Estratégico, atuando a mais de nove anos nessas áreas. Em 2008, criou o Método REVIE (Rede de Valor para Inteligência Empresarial) - a Rede de Melhores Práticas para MKT e Vendas. Contato com a Daniela: dteixeira@revie.com.br ou blog http://inteligenciaempresarial-brasil.blogspot.com


FONTE: http://www.metaanalise.com.br/inteligenciademercado/momento/ponto-de-vista/revie-na-pratica-estudo-de-caso-parte-1.html

2 comentários:

Marcelo Lau disse...

Oi Dani,



Acabei de ler o artigo.

Acho que a rede de parceiros pode contribuir sim para a questão de benchmark de produtos. O problema é que na boa e velha administração tudo que se aprende nem se coloca tudo na prática, independente da ferramenta existente.

Como qualquer outra metodologia, o sucesso depende da disciplina na aplicação correta do que se recomenda.

O grande pulo do gato na medição do benchmark moderno é a possibilidade de contar com um infinito número de recursos a baixo custo que a web nos disponibiliza atualmente.


Um grande abraço.


Lau
Executive Director
Data Security

Daniela Ramos Teixeira disse...

Oi Lau, obrigada pela excelente contribuição.
A formação da rede de parceiros pode contribuir de diversas formas para o benchmark de produtos.
Pensando num formato bem simples de modelo de negócio on-line, vamos imaginar um wiki em que os parceiros pudessem trocar informações sobre P&D e Inovação de Produtos de interesse da rede.
Estamos com uma iniciativa parecida com a a "Rede de Parceiros da REVIE".
Os ganhos, neste caso, podem ser de especialização na produção de um certo produto/ serviço. Temos também os ganhos de escala com facilidades no acesso a recursos para desenvolvimento de um serviço, por exemplo ou formatação de uma oferta.
A WEB com os wikis, os blogs facilita a possibilidade de colaboração e ganhos entre empresa-parceiros e empresa-clientes.
Sobre tudo isso é o Método que criei -a REVIE (Rede de Valor para Inteligência Empresarial).

abçs Daniela R. Teixeira